Notícias

SIGA NOSSO

07/03/2017 08:40

Dia da Mulher – Confira algumas dicas sobre a saúde feminina

Prevenir é uma forma de manter a saúde em dia. Por isso, visitar um ginecologista pelo menos uma vez por ano deve fazer parte da rotina de toda mulher.

Acompanhamento

Segundo o ginecologista Francisco Brito desde a infância, as mulheres devem realizar um acompanhamento ginecológico. “Nas distintas fases da vida da mulher podem aparecer enfermidades. Na primeira infância podem acontecer alguns corrimentos, principalmente relacionados a fungos. Na adolescência aparecem vários problemas genitais, que também devem ser precocemente tratados. Na idade adulta tem-se a necessidade de acompanhamentos sistemáticos, como o exame citológico. Já na fase de envelhecimento surgem outros problemas em função da falência ovariana, como o ressecamento vaginal”, explica.

Francisco afirma que, dependendo da necessidade, a visita ao ginecologista pode acontecer a cada seis meses. “Principalmente quando há recorrência de algumas enfermidades atribuídas à relação sexual, como as Doenças Sexualmente Transmissíveis. A mulher que tem a vida sexual ativa tem maior probabilidade de ser portadora de vários agentes etiológicos. A mulher que não tem possui menos chance, mas também precisa fazer um acompanhamento”, afirma.

Principais exames

O ginecologista explica que os exames de rotina são solicitados de acordo com as queixas das pacientes. “Os principais são: o exame da tireoide, se tiver alguma alteração solicitamos exames dos hormônios tireoidianos, T3, T4 e o TSH, os hormônios ovarianos, a progesterona, para que tenhamos um perfil hormonal. Os outros exames nós solicitamos de acordo com as necessidades e queixas. Se ela é portadora da Síndrome dos ovários policísticos, então se faz esses e outros exames complementares, como a ultrassonografia. Vamos tratando a paciente de acordo com os resultados”. 

Prevenção

Com o acompanhamento ginecológico pode-se descobrir doenças que muitas vezes não apresentam sintomas aparentes. “O câncer do colo do útero é uma das doenças que podem ser detectadas com antecipação, através de exames como Papa Nicolau ou uma coleta simples, podendo dar indícios que se trata de alterações específicas para que seja feito um tratamento adequado”, enfatiza o especialista.