Notícias

SIGA NOSSO

03/08/2017 11:00

A importância dos alongamentos para a 3ª idade

De acordo com a professora Daniella Barbosa, especialista em Gerontologia, a atividade física regular na 3ª idade é um fator de proteção para várias doenças crônico-degenerativas. “Essas doenças atingem o nosso sistema osteomioarticular como a osteoporose e artrose, e assim podem causar agravos à saúde comuns na velhice como fraturas e quedas. Dentre as modalidades de atividades físicas recomendadas as pessoas com mais de 60 anos estão os exercícios de alongamento das cadeias musculares dos membros superiores, membros inferiores e tronco (coluna vertebral)”, explica a especialista.

Benefícios

De acordo com Daniella, a prática de alongamentos para os idosos traz vários benefícios. “De maneira geral, o maior benefício é a manutenção da autonomia e da independência funcional das pessoas idosas. Especificamente, se tais exercícios forem praticados numa frequência semanal de 150 minutos, ou seja, 03 sessões por semana com duração de 50 minutos. Se o idoso fizer isso terá aumentada sua flexibilidade e amplitude de movimento (ADM)”, ressalta.

Ela cita outras vantagens. “Essa prática também favorece a circulação sanguínea e faz com que seja mais fácil realizar algumas atividades diárias, como cozinhar, limpar e arrumar. Entre os métodos existentes, destacam-se a reeducação postural global (RPG), a Fisioterapia Aquática e o Método Pilates”.

Existe contraindicações?

A professora especifica. “As contraindicações absolutas são raras, apenas nos casos de febre alta (acima de 38°); insuficiência cardíaca; incontinência de fezes ou urina; epilepsia e baixa capacidade pulmonar vital (900-1500ml)”, finaliza.

Daniella destaca algumas recomendações básicas sobre a realização de alongamentos pelos idosos. “Sempre que possível, manter a intensidade dos exercícios de leve a moderada, sempre respeitar os limites do paciente; o tempo necessário deve ser de no mínimo 30 minutos diários e no máximo 60 minutos; os exercícios devem ser interrompidos imediatamente, caso o paciente sinta dor, tontura ou outro desconforto muscular”.

Acompanhamento de um profissional

Daniella alerta para a importância de um acompanhamento de um profissional para essa prática de alongamentos. “A prática de qualquer atividade física deve ser supervisionada por profissionais competentes e habilidosos para a manutenção da saúde cinesiológica e funcional dos indivíduos, principalmente das populações mais vulneráveis, como no caso de idosos. Vale salientar que o acompanhamento deve ser multiprofissional, com a consulta periódica a médicos especialistas (ex.: cardiologista, ortopedista), fisioterapeutas (ex.: gerontologista) e profissionais de Educação Física,” ressalta.

Dicas

A especialista indicou três exemplos simplesde exercícios de alongamento para idosos, que podem ser feitos em casa. Confira:

Exercício 1: 

Deitado com a barriga para cima, dobrar uma das pernas e segurar em cima do joelho, mas com cuidado para não forçar a articulação. Manter-se nesta posição durante 30 segundos enquanto respira e depois repetir o exercício com a outra perna.

Exercício 2:

Sentado com as pernas juntas à frente do corpo, esticar os braços e tentar encostar as mãos nos pés. Permanecer parado nesta posição durante 30 segundos.

Exercício 3: 

De pé, inclinar o corpo para lado. Permanecer parado nesta posição por 30 segundos e em seguida fazer o exercício virando para o outro lado.

Estes exercícios de alongamento podem ser feitos em qualquer hora do dia, mas é importante respeitar os limites do corpo para evitar lesões nos músculos ou articulações. A regularidade com que estes exercícios de alongamento são feitos também é importante para alcançar seus benefícios e, por isso, é recomendado fazer os exercícios, no mínimo, 3 vezes por semana.