Artigos

SIGA NOSSO

27/07/2017 08:10

ASSÉDIO MORAL: impacto sobre os profissionais de saúde

É oportuno destacar que os profissionais que trabalham no ambiente hospitalar, sob alguns aspectos, estão mais vulneráveis a se tornarem vítimas do assédio moral, visto que se trata de uma estrutura rígida, com supervalorização da hierarquia; ademais, a categoria dos profissionais de saúde estão sujeitos a múltiplas exigências emocionais, cognitivas e físicas geradoras de efeitos negativos (HERNANDÉZ et al., 2008).

Sob esse prisma, acredita-se na necessidade de conscientização dos profissionais de saúde acerca do assédio moral, principalmente da presença e dos prejuízos advindos desse fenômeno, assim como da importância de adotar estratégias eficazes para enfrentá-lo.

No que tange aos prejuízos provenientes dessa prática, Cahú et al (2012) observaram que as consequências advindas desse fenômeno são divididas em três categorias: distúrbios psicossomáticos; problemas empresariais; e problemas sociais.

Em relação aos distúrbios psicossomáticos, estes se referem aos danos ocasionados à saúde mental e física das vítimas do fenômeno. Entre eles, destacam-se: depressão, estresse, baixa autoestima, síndrome de burnout, insônia, fadiga, problemas gástricos (em especial, gastrite e úlcera), distúrbios cardiovasculares (como taquicardia e hipertensão arterial), dor, e, em casos extremos, o suicídio.

Destaca-se, portanto, que os transtornos acarretados pelo assédio moral, muitas vezes, incapacitam o trabalhador a desempenhar suas atividades e diminuem seu desempenho no trabalho, aumentando o absenteísmo e, consequentemente, diminuindo a produtividade e o lucro da empresa (YAMAN, 2010).

Por conseguinte, observa-se que o assédio moral é considerado uma síndrome psicossocial multidimensional, uma vez que apresenta vários sintomas físicos e psíquicos que afetam o indivíduo, o grupo de trabalho e a organização e produz disfunções em nível individual e coletivo, atingindo todos os níveis hierárquicos, com repercussões negativas para a imagem da empresa(GUIMARÃES; RIMOLI, 2006).

Diante dessas ponderações, destaca-se que os efeitos do assédio moral na vida dos seres humanos são devastadores, sobretudo, em relação ao desenvolvimento das doenças psíquico-emocionais. Sendo assim, cada vez mais se mostra fundamental preservar a saúde dos trabalhadores e um dos caminhos para tanto é a adoção de medidas preventivas (COSTA et al., 2015).

[1] Este documento é um recorte do artigo publicado na Revista da Escola de Enfermagem da USP, intitulado: Produção científica acerca de assédio moral em dissertações e teses no cenário brasileiro. Para consultar o artigo na íntegra, clique em http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v49n2/pt_0080-6234-reeusp-49-02-0267.pdf


REFERÊNCIAS

Battistelli BM, Amazarray MR, Koller SH. O assédio moral no trabalho na visão de operadores do direito.Psicologia & Sociedade [internet]. 2011 [acesso em 2015 set 05]; 23(1):35-45. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822011000100005&lng=en&tlng=pt. 10.1590/S0102-71822011000100005.

Cahú GRP, Leite AIT, Nóbrega MML , Fernandes M das GM, Costa KN de FM, Costa SFG. Assédio moral: análise de conceito na perspectiva evolucionista de Rodgers. Acta paul. enferm.  [Internet]. 2012  [acesso em  2015  set  05];25(4): 555-559. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002012000400012&lng=en.  http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002012000400012.

Bobroff  MCC, Martins JT. Assédio moral, ética e sofrimento no trabalho. Rev. bioét. Londrina.2013;21(2):251-8.

Barreto MMS.Assédio moral: a violência sutil - análise epidemiológica e psicossocial no trabalho no Brasil.[Tese]. São Paulo (SP):Doutorado em Psicologia Social/Pontifícia Universidade Católica de São Paulo:2005.

Pedroso VG, Limongi AC, Martins FAS, Hrdlicka H, Jorge SM, Cornetta VK. Aspectos conceituais de assédio moral: um estudo exploratório. Rev. adm. Saúde. São Paulo [periódico da internet].2008 [acesso em: 2015 set 05]:8(33):139-147. Disponível em: http://www.researchgate.net/profile/Hermann_Hrdlicka/publication/277017736_Revista_de_Administrao_e_Sade/links/555f228108ae8c0cab2e4a7c.pdf

Silva JLO. Assédio moral no ambiente de trabalho. Editora e livraria jurídica.Rio de Janeiro.2005.

Vieira ACG,organizador. Assédio moral no ambiente de trabalho: Uma violação silenciosa à dignidade humana no âmbito das relações de emprego. Belo Horizonte (BH): LTr; 2007.

Freitas ME, Heloani R, Barreto M. Assédio moral no trabalho. São Paulo (SP): Cengage Learning; 2008.

Martins MCF, Ferraz AMS. Propriedades psicométricas das escalas de assédio moral no trabalho: percepção e impacto. Psico-USF.2011[períodico da internet].2008 [acesso em: 2015 set 05];163-73. Disponível em: http://www.scielo.br.php/pid=S1413-82712011000200005&script=sci_arttext

Hernandéz PJA, Martín NPC, Marrero AG, Porbén SA, Romero JSH, Fernández CP. Validación de un instrumento para el diagnóstico del mobbing, cuestionario de Heinz

Leymann (LIPT) modificado. Rev Cub Salud Trab. 2008; 9(1):34-48.

Yaman E. Perception of faculty members exposed to mobbing about the organizational culture and climate. Educational Sciences:  Theory &  Practice. 2010;10(1):5675-8.