ARTIGO - Envelhecimento ativo durante o isolamento social pelo Covid- 19


08/06/2020 10:19

Este tema vem sendo comentado por vários profissionais da área da saúde como algo preocupante visto que a população idosa já apresenta algumas características e/ou alterações físico/funcionais que impactam diretamente na sua qualidade de vida e na sua independência funcional. Exigindo, portanto, uma manutenção das suas atividades cotidianas como: atividade física, encontro com os amigos e familiares, socialização com grupos da igreja, de lazer, bem como, atividades de compras em ambientes com circulação de pessoas.

O envelhecimento ativo é o processo de otimização das oportunidades de saúde, participação e segurança, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida à medida que as pessoas ?cam mais velhas. Aplica-se tanto a indivíduos quanto a grupos populacionais. Permite que as pessoas percebam o seu potencial para o bem-estar físico, social e mental ao longo do curso da vida, e que essas pessoas participem da sociedade de acordo com suas necessidades, desejos e capacidades; ao mesmo tempo, propicia proteção, segurança e cuidados adequados, quando necessários.

Com a pandemia do COVID 19, algumas medidas foram tomadas pelos órgãos públicos e ligados à saúde, como forma de prevenir o aumento de novos casos, seguindo as orientações do Ministério da Saúde, da Secretaria de Saúde do Estado e do município. O isolamento social vem sendo orientado com uma das medidas mais importantes, principalmente nas populações de maior vulnerabilidade e letalidade do vírus, para as pessoas acima de 60 anos.

Os idosos são considerados como o grupo mais vulnerável para a infecção do novo coronavírus (Covid-19) pela Organização Mundial de Saúde e pelo Ministério da Saúde. As pesquisas apontam ainda que a pandemia conta com taxa de letalidade entre 15% a 20% no mundo em relação a eles. Por isso, é importante o isolamento social não somente dos idosos, mas também das pessoas que moram com os idosos. Elas devem, ao máximo, também evitar sair de casa. Por outro lado, a família precisa prover as necessidades dos seus idosos, nos seus vários aspectos, como alimentação, atividades, moradia, saúde, medicamentos, dentre outros.

Pensando nesta condição, é importante destacar estratégias que promovam a saúde desta população e sua autonomia no seu ambiente domiciliar, com orientações individuais para cada idoso, levando em consideração as suas necessidades peculiaridades, a fim de evitar maiores impactos negativos na sua funcionalidade. Algumas medidas já vêm sendo direcionadas pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), como as apresentadas a seguir.

A Dra. Valmari Cristina Aranha, diretora da SBGG, em entrevista concedida aos jornais Extra e O Globo, listou algumas dicas de como as pessoas da terceira idade podem passar pelo isolamento social de uma maneira mais amena. A especialista pontuou, por exemplo, como é importante manter uma rotina, adaptar exercícios físicos a fim de manter o corpo ativo e, para evitar a sensação de solidão, investir no uso dos meios eletrônicos para manter o contato com entes queridos.

Algumas dicas importantes para os idosos neste momento de isolamento:

  • Fixar rotina - A rotina faz com que o idoso fique menos ansioso;

  • Adaptar exercícios- Adaptar a atividade para dentro de casa, na medida do possível;

  • Afazeres domésticos - Os afazeres domésticas podem entrar no planejamento da rotina.

  • Assistir filmes e ler um bom livro Ajudam a ocupar a mente, passar o tempo e pode contribuir com o bem-estar;

  • Manter contato - É fundamental que amigos e parentes mantenham a interação com ligações e, se possível, com o envio de fotos e vídeos (videochamadas);

  • Ambiente digital- Para os idosos adeptos a tecnologia, a internet oferece uma enorme gama de opções. Até viajar pelo mundo, virtualmente;

  • Jogos antigos- Para os idosos que não têm aptidão para a tecnologia, uma boa pedida é que o acompanhante ou parente que more com ele recorre ao jogos antigos;

  • Oferecer apoio- dar apoio aqueles mais dependentes emocionalmente para evitar outros transtornos;

  • Testar receitas novas ou voltar ao tempo com as antigas – O paladar pode ajudar a voltar ao tempo e trazer alegria.

Com isso, acreditamos que os idosos já podem esquecer o repouso absoluto dentro de casa. O isolamento não é sinônimo de passividade ou inatividade. Vamos juntos em busca da ATIVIDADE!

 

 

 

AUTORA: 

Rachel Cavalcanti Fonseca 

Fisioterapeuta e docente do curso de Medicina da FCM-PB